“Se Deus não tirar ele, será o presidente do Brasil”, desabafa o vereador Divino Pereira sobre os ataques a Bolsonaro; vereadores criticam violência contra candidato

48

Usando a Tribuna, ontem, na sessão da Câmara de Lafaiete, o vereador Divino Pereira, presidente do PSL loca, fez um discurso de desabafo contra o ataque sofrido, durante ato em Juiz de Fora (MG), pelo candidato a Presidente, Jair Bolsonaro (PSL), líder nas pesquisas de intenção de votos, segundo os principais institutos de opinião pública. “Registro aqui minha indignação ao ocorrido. Se Deus não tirar ele, será o presidente do Brasil”, afirmou.

Divino disse que na data esteve em Belo Horizonte acertando a vinda de Bolsonoro a Lafaiete, em um ato na praça do Cristo. “Hoje estive com o assessor dele e acertamos a vinda a Lafaiete. Ia colocar um carro de som nas ruas para convidar o povo. Agora acontece uma coisa inacreditável”, comentou.

“O Brasil precisa de ordem. Nos meus 78 anos nunca vi o que está acontecendo. Tenho vergonha. O Brasil está sem sem lei e sem dono. Ele é nossa única  esperança em mudar este País. Não existe homem igual a ele para acabar com a corrupção’, desabafou Divino.

O vereador Lúcio Barbosa (PSDB) repercutiu os ataques. “Vai ficar marcado justamente em um estado que anda tão combalido”.  “Nós repudiamos o que aconteceu. Apesar das divergências somos contra o que aconteceu. Não se resolve o problema do país pregando a violência. Quem planta colhe. Só vamos resolver os problema do Brasil com educação. Fazer política com ódio é isso que acontece. Política se faz com amor”, observou o petista Chico Paulo.  “Violência gera a violência”, expressou Pedro Américo (PT).