Filme “Trindade” desnuda a vida de uma mulher negra lafaietense que viveu na pele o racismo e superou a marginalização e foi a 1ª mulher do AA

64
Ana Paula (E) foi a responsável pela ideia do filme e apresentou o cineastra a Trindade/DIVULGAÇÃO

“É uma porrada”. Assim expressou o genial cineasta lafaietense, Rodrigo Meireles, em seu mais novo trabalho. Chocante, reflexivo e provocativo. A novo curto expõe  e confronta uma sociedade machista, segregadora, patriarcal e esvocrata e hipócrita nas suas relações sociais.  Muito além da denúncia, “”Trindade” mostra uma sociedade  em que o o racismo é uma prática velada.

A pré estreia do novo curta metragem, o 3º em sua promissora carreira (“João Batista” e “Anderson”), ocorrido ontem (16) à noite no auditório da TV Lafaiete, chocou, emocionou e arrancou lágrimas no público. Bem a seu estilo, de retratar figuras fora do padrão convencional e à “margem” da sociedade, os chamados outsider, desta vez o cineasta acertou em cheio em sua protagonista, principalmente neste contexto histórico político da atualidade brasileira.

Maria Trindade da Costa Vitória Rodrigues é lafaietense e moradora do Bairro Siderúrgico. Em sua casa humilde, se passam os mais de 30 minutos do curta. Os depoimentos nus e crus contam a vida da negra guerreira que viveu na pele o racismo e sentiu as chagas do preconceitos. Com as marcas da superação dos vales e tormentos pelos quais viveu ao longo dos seus 74 anos, Trindade é síntese de uma sociedade que marginaliza os negros. e ainda hoje insiste em excluí-los.

Netos, filhos, familiares de Trindade durante pré estreia juntos com colabradores do curta

Mais que um exemplo de vida, o filme é encantador, mas instigador. Logo cedo, Trindade entrou no mundo alcoolismo, influenciado pelo pai. Única  mulher de uma família de 6 irmãos, ela ingressou, por força das circunstâncias, na prostituição. Ela conta que foi abusada pelo pai. Ainda cedo perdeu o braço em um acidente na linha férrea da Rede Ferroviária. Assim que perdeu a mãe, deixou a família e foi trabalhar em São paulo como doméstica. Dos 9 filhos, hoje apenas dois estão vivos. O restante ela perdeu em função do alcoolismo e o do abandono.

Trindade conta sua história sem contornos, sem eufemismos sem mágoas.  Por diversas vezes presa por desacato e brigas, foi levada a cadeia. “Não gosto do anonimato”, assumiu.

Hoje aos 74 anos, Trindade é uma negra que superou sua própria marginalização da sociedade e expõe como afronta a falsidade embutida no preconceito velado. Como ela própria conta, foi a força da fé capaz de transformar sua vida e a impulsionou as encontrar alimento espiritual e superar tantas mazelas sofridas. “Tudo foi para me provar”, assinalou com total sabedoria e compreensão da finitude humana.

Trindade é a primeira mulher lafaietense a ingressar no AA (Alcoólicos Anônimos) e lá desenvolve seu trabalho de tirar do vício tantas pessoas afundadas em paraísos artificiais em que a bebida provoca. “Passo firme, cabeça erguida. Tudo que aprendi eu quero ensinar aos outros”. Essa é Trindade! Autêntica, expontânea, sincera, sem filtros e sem rótulos! Um filme pujante no qual a artista principal é protagonista da sua própria história.

O filme

A protagonista Trindade e o cineasta Rodrigo Meirelles: avida por um fio

A pré estreia lotou o auditório quando a família da protagonista esteve neste momento marcante. A filha, Alzira  Patrícia, emocionou ao anunciar, após deixar o alcoolismo, que entraria, a exemplo da mãe, no A.A. Com um ano e setes meses paralisada, ela contou parte de sua história também marcada pela superação.

O curta metragem segue agora para o circuito de festivais e com certeza será premiado pelo Brasil e pelo mundo afora.”Trindade desnuda a sociedade com força vibrante e tensionada das lentes do cineasta lafaietense.

Com certeza, Trindade já é sucesso e vai angariar muitos prêmios!

  • Ficha técnica:Maria Trindade da Costa Vitória Rodrigues – Direção/Fotografia/Roteiro – Rodrigo Meireles
  • Montagem – Rodrigo Meireles, Silnara Faustino
  • – Som – Márcio Zaum
  • Assistente de Direção – Bárbara Goulart
  • Produção – Relógio Quebrado/ Estúdio Taidai Guilherme Augusto, Marcelo Lin, Marco Antônio Pereira, Joffre Faria Silva
  • Assistentes de Produção – Iara Gomes, Ricardo Juper
  • Produtor Executivo – Leonardo Meireles, Nilson Meireles
  • Ideia original: Ana Paula Rodrigues

 

Veja todas as fotos:

[Best_Wordpress_Gallery id=”253″ gal_title=”Trindade filme”]