Corpo do padre Válber Barbosa será sepultado hoje(26); religioso dedicou 42 anos à causa indígena

2098

Será sepultado nesta terça-feira, 26/01, em Juiz de Fora o corpo do missionário Redentorista padre Válber Dias Barbosa. Ele morreu no domingo, 24/01, no Hospital Dom Orione, na cidade de Araguaína, estado do Tocantins. Nascido em 20 de maio de 1943, na zona rural de Itaverava, o religioso carrega de sua ascendência paterna significativa mestiçagem de indígenas da tribo Puri.

Às 10h, haverá missa de Corpo Presente na igreja Nossa Senhora da Glória em Juiz de Fora e em seguida o sepultamento. Antes do corpo seguir para Minas Gerais houve um momento de oração na igreja de Araguaína, no Tocantins com a presença do bispo de Tocantinópolis, Dom Giovane Pereira de Melo, e do bispo de Miracema de Tocantins, Dom Philip Dickmans, e alguns padres da região.

Padre Válber

O padre Válber Dias Barbosa carregava de sua ascendência paterna significativa mestiçagem de indígenas da tribo Puri. Em 1970, terminou o curso de Teologia no Seminário Maior de Floresta, em Juiz de Fora. Três anos depois, solicitou aos superiores da Congregação Redentorista uma experiência em missão indígena. Esse estágio aconteceu na Missão Anchieta dos Padres Jesuítas, no Mato Grosso. Daí em diante, não se afastou mais da causa indígena. Ao final de 1979, um ano depois de ordenado padre, dedicou-se à missão junto ao povo indígena Krahô, no estado de Tocantins. Morou inserido, sucessivamente, em quatro aldeias daquele povo. O sacerdote era conhecido nas aldeias Krahô como Valber Kontxà, nome recebido na Aldeia Rio Vermelho, em dezembro de 1979. Escreveu os seguintes livros: “Os Krakô e a Questão Cultural Indígena” (2011) e “Missões, Sertões e Índios, em relatos e crônicas” (2012)

Segundo informações, padre Válber estava internado fazendo um tratamento de um tumor nos rinsSua situação foi se agravando e debilitando o seu corpo. Ao fazer uma hemodiálise neste domingo, houve uma parada cardíaca e ele não resistiu.

Fonte e foto: Província do Rio