Autor de crime se apresenta a Polícia

46

Renê Hermógenes Alves, autor do homicídio registrado no Bairro Progresso, se apresentou espontaneamente na tarde desta segunda-feira na 2ª DRPC ao delegado da Divisão de Investigação Criminal de Conselheiro Lafaiete.
O jovem chegou por volta das 14:45 horas acompanhado do Advogado Criminalista Sinval Salim Moreira. Durante o depoimento que durou aproximadamente meia hora, ele assumiu a autoria do crime. Renê Hermógenes possui uma extensa ficha criminal com várias passagens pela polícia desde a menor idade dentre elas uso e tráfico de drogas, porte ilegal de arma branca, agressão, e lesão corporal grave, acrescentando agora mais um homicídio em seu prontuário.
No ultimo sábado, dia 18, por volta das 16:45 horas após um desentendimento com Roberto Avelino dos Santos, Renê entrou em luta corporal e lhe desferiu várias facadas além de pedradas e chutes. A vítima chegou a ser socorrida por uma equipe do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgências) e morreu logo após dar entrada no hospital Maternidade São José. De acordo com a irmã da vítima o crime teria acontecido por motivos banais e seu irmão não oferecia perigo e nem resistência ao autor por estar muito debilitado devido ao uso contínuo de bebidas alcoólicas, razão pela qual ficou completamente em desvantagem. A vítima também era possuidora de uma ficha criminal com vários registros inclusive crime contra o patrimônio. Após o depoimento, o autor permaneceu preso por força de um mandado de prisão preventiva que foi concedido e expedido em seu desfavor pela comarca do município.

Vítima morou no coreto

Homicídio (3)

Roberto Avelino é o mesmo personagem que causou polêmica no ano passado ao fixar residência no coreto da praça Tiradentes. Ao lado da companheira, Maria do Carmo, ele se apossou do espaço público como se fosse propriedade privada e o casal não sentia o menor constrangimento por viver no lar improvisado e expor particularidades da vida pessoal aos olhos de quem passava. À época, a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social tentou sem sucesso inserir o casal em programas assistenciais porque Roberto e Maria do Carmo se recusavam a se adequar aos critérios e requisitos impostos por lei a todos os participantes. Ultimamente, Roberto estaria vivendo no bairro Rochedo e enfrentando sérios problemas de saúde que o obrigavam a tomar medicamentos de uso controlado.