Vereadores cobram agilidade na retomada do serviço de iluminação pública em Lafaiete

Vereadores cobram agilidade na retomada do serviço de iluminação pública em Lafaiete/Reprodução

“Lafaiete está às escuras.” Assim expressou o vereador Lúcio Barbosa (PSDB) ao cobrar agilidade na solução para o serviço de manutenção da iluminação pública em Lafaiete. Esta semana o tema voltou ao centro da polêmica na Câmara. O impasse entre o Casip (Consórcio de Administração do Serviço de Iluminação Pública) e a prefeitura de Lafaiete fez que com há mais de 4 meses a cidade não contasse mais com o serviço de iluminação acarretando falta de luz em inúmeras ruas. Enquanto o serviço está com o contrato suspenso, em torno de valores, a prefeitura já procura um novo consórcio para retomar a administração do parque de iluminação. Diante das crescentes críticas e pressão popular, os vereadores voltaram a cobrar agilidade do município em resolver a situação. Pedro Américo (PT) classificou a situação com “vergonha”. “Nós temos que agir e cobrar uma solução já que os usuários pagam a taxa de iluminação pública sem ter o serviço. Como sempre o povo paga o pato”, comentou. Sandro José (PSDB) explicou os recursos da taxa ficam em uma conta específica e o Município está fazendo um caixa para investimentos, porém alertou que está no momento do governo municipal reagir a apontar uma solução aos lafaietenses. “Como sempre disse deveriam ter um plano B. Isto é, antes de rescindir o contrato, já deveria ter um consórcio para retomar o serviço imediatamente sem deixar a população à deriva”.

O líder do governo, o vereador João Paulo Pé Quente (DEM), reconheceu que a situação afeta a todos os lafaietenses mas defendeu que a suspensão do contrato diante de irregularidades levantadas. “Todos nós recebemos das denúncias de possíveis irregularidades no Casip e governo não podia ser tolerante nesta situação em função do zelo com a coisa pública. O município já tem um consórcio em vista”, sinalizou.

Foi apresentado um requerimento de autoria dos vereadores Alan Teixeira (PHS), Carla Sássi (PSB), Darcy de Souza (SO) e Fernando Bandeira (PTB) em que cobra informações acerca os motivos pelos quais a prefeitura não retomou o serviço ou não efetivou a entrada em outro consórcio. Os vereadores querem dados dos valores arrecadados com a taxa de iluminação em 2017.

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *