Vereador Sandro cobra restrição de horário para o trânsito de carretas de minério em Gagé

Em meio a revolta e a indignação dos moradores do Bairro Gagé, em Lafaiete, o Vereador Sandro José (PSDB) usou a tribuna para denunciar a demora na solução do problema. “Está na hora de dar uma resposta aos moradores e eles já estão cansados de esperar pelo menos um paliativo para que traga segurança à comunidade. Vou entrar com o projeto delimitando o trânsito das carretas entre 6:00 às 18:00 horas”, disse o vereador Sandro. Os moradores sofrem com poluição sonora do som buzina, poeira, lama e principalmente a total falta de segurança já que, segundo dados preliminares, mas de 400 veículos passam diariamente pelo bairro até o embarque do minério na estação ferroviária de Joaquim Murtinho. Como o bairro vizinho se mobilizou e impediu o trânsito, as carretas usam o Gagé para levar o minério para a exportação. Elas são provenientes de minas em Desterro de Entre Rios, Passa tempo e Itaúna. A Scoffi, empresa responsável pelo embarque, comunidade e a prefeitura chegaram acertar um acordo para restringir os horários do transporte de minério, mas não passou de promessa. Já na madruga e durante toda a noite as carretas aterrorizaram os moradores. Em nota enviada a nossa reportagem o Curador do Meio Ambiente do Ministério Público, Glauco Peregrino, informou que foi requisitada perícia para apuração da situação. Os técnicos do MP já estiveram no local e estão no momento elaborando o laudo pericial. “Estamos aguardando a remessa do estudo”, finalizou.
O perigo é constante

Em meio a revolta e a indignação dos moradores do Bairro Gagé, em Lafaiete, o Vereador Sandro José (PSDB) usou a tribuna para denunciar a demora na solução do problema. “Está na hora de dar uma resposta aos moradores e eles já estão cansados de esperar pelo menos um paliativo para que traga segurança à comunidade. Vou entrar com o projeto delimitando o trânsito das carretas entre 6:00 às 18:00 horas”, disse o vereador Sandro.

Sandro
Vereador Sandro José

Os moradores sofrem com poluição sonora do som buzina, poeira, lama e principalmente a total falta de segurança já que, segundo dados preliminares, mas de 400 veículos passam diariamente pelo bairro até o embarque do minério na estação ferroviária de Joaquim Murtinho. Como o bairro vizinho se mobilizou e impediu o trânsito, as carretas usam o Gagé para levar o minério para a exportação. Elas são provenientes de minas em Desterro de Entre Rios, Passa tempo e Itaúna.

A Scoffi, empresa responsável pelo embarque, comunidade e a prefeitura chegaram acertar um acordo para restringir os horários do transporte de minério, mas não passou de promessa. Já na madruga e durante toda a noite as carretas aterrorizaram os moradores.

Em nota enviada a nossa reportagem o Curador do Meio Ambiente do Ministério Público, Glauco Peregrino, informou que foi requisitada perícia para apuração da situação. Os técnicos do MP já estiveram no local e estão no momento elaborando o laudo pericial. “Estamos aguardando a remessa do estudo”, finalizou.

Fotos:Arquivo

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *