Um ato de covardia contra Padre Roberto

Atos de Covardia!

Terminamos o ano de 2017 sob a égide de tempos nebulosos e confusos, dado que a sensação de violência e o sentimento de impunidade pervadem todos os tipos de relacionamento. Nossa cidade está assustada com alto índice de violência. Por mais que uma ou outra autoridade possa tentar dizer que os índices estão dentro da normalidade ou do suportável, não é bem isso que sentimos. Nossa sensação de intranquilidade é muito alta. Não ajuda uma falsa compreensão do Estatuto do Desarmamento, ora em vigor no país, pois se está proibido o uso e/ou posse de arma, por que os bandidos continuam cada vez mais armados e o cidadão de bem não goza de segurança dentro da sua própria casa, não tendo os mínimos recursos para se defender e para defender sua propriedade particular e sua própria família? Lafaiete nesta virada de ano foi marcada por pelo menos três fatos escabrosos, sobre os quais eu me pus a refletir, e sem a pretensão de fazer ou emitir juízo de valores sobre qualquer um deles, mesmo que tenha sentido uma certa revolta no meu coração. Um jovem esfaqueado no portão da sua casa, uma cadela com uma faca caseira atolada em seu dorso e a violência física cometida contra o padre Roberto de Carvalho Bruno, no Bairro Santa Matilde, numa configuração assustadora, pois a abordagem foi feita em cima de um dos preceitos mais caros ao cristianismo, qual seja o sagrado dever da caridade. Usar uma criança, uma mulher aceitar este papel, para adentrar uma residência, com aquele alto índice de violência, causando graves e sérios hematomas no rosto do religioso, que deverá se submeter a cirurgia reparadora. Três situações distintas, cujas consequências são desastrosas, pois que não se sabe ao certo quais as desastrosas repercussões que isso vai ter no coração das pessoas envolvidas. Cada um teve uma repercussão diferente. Não vou entrar no mérito da questão, mas alguma coisa está errada nisso tudo. Precisamos de rever muita coisa: Estatuto do Desarmamento, Estatuto da Criança e do Adolescente e Revisar a Doutrina dos Direitos Humanos. Uma família foi destroçada nas redes sociais, mesmo sem ter acusação formal de que tivesse feito ou cometido o crime contra a cadelinha apunhalada covardemente pelas costas. O jovem assassinado na porta de cada teve a infelicidade de ter sido morto nos mesmos dias da cadelinha apunhalada. A escala de valores foi para os ares, pois que a violência contra a cadelinha teve mais repercussão do que o assassinato do rapaz. Aí para não ficar sem uma péssima repercussão o alto índice de violência na cidade, tivemos nesta última semana uma agressão inominável contra um religioso em nossa cidade, que não teria oferecido qualquer resistência física, diante do ocorrido. O sórdido mecanismo usado foi dos mais execráveis…. Mulher e criança de colo, suplicando ajuda humanitária. Não é para fechar nossos corações a qualquer tipo de ajuda de pessoas depois de uma certa hora da noite? Ainda bem que vizinhos perceberam algo estranho e acionaram imediatamente a polícia, para socorrer a vítima já ensanguentada e transtornada. Para um trauma deste, somente o tempo para ajudar a encaixar tamanha humilhação. Ninguém se recupera de uma agressão desta da noite para o dia. Ao prezado padre Roberto de Carvalho Brunho, nossa solidariedade e nosso incondicional apoio, pelo seu belíssimo trabalho à frente da comunidade do Bom Pastor. Que o Bom Pastor, Jesus Cristo, Nosso Divino Salvador, nos dê a serenidade indispensável para suportar este estado de insegurança que invade nossas vidas. Estão banalizado o sagrado dom da vida, de uma forma ou de outra.

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *