Obra de Lafayette Rodrigues Pereira é relançada na Assembléia

Solenidade será na terça (8), às 19 horas, no Salão Nobre, por meio de programa editorial do Parlamento mineiro

O livro “Princípios de Direito Internacional”, de Lafayette Rodrigues Pereira, terá nova edição lançada na próxima terça-feira (8/8/17), às 19 horas, no Salão Nobre da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A obra, realizada no período de transição entre os séculos XIX e XX, invoca a moral e o direito como regras supremas das relações entre os países.

O livro sintetiza os princípios e trata das pessoas de direito internacional, dos direitos fundamentais das nações, dos direitos secundários ou acidentais, dos tratados e da magistratura internacional, entre outros assuntos.

A obra será lançada em dois volumes por meio do Programa Editorial de Obras de Valor Histórico e Cultural de Interesse de Minas Gerais e do Brasil e foi selecionada mediante processo seletivo realizado pela ALMG entre junho e agosto do ano passado.

De acordo com o coordenador do programa, deputado Lafayette de Andrada (PSD), ela é considerada uma das precursoras no campo de direito internacional e, portanto, tem grande importância histórica.

“Pela relevância e pioneirismo dessa obra, que continua tão atual no estudo do direito internacional, a ALMG traz a público, na coleção Minas de História e Cultura, a reprodução da primeira edição do livro Princípios de Direito Internacional. O lançamento também lembra o centenário de morte do autor, Lafayette Rodrigues Pereira, mineiro, e de grande prestígio entre os juristas brasileiros”, aponta Lafayette de Andrada.

O autor

Lafayette Rodrigues Pereira nasceu em Conselheiro Lafaiete (Região Central do Estado), em 1834, filho de Antônio Rodrigues Pereira, Barão de Pouso Alegre.

Após completar os estudos primários e secundários, partiu para São Paulo, onde se matriculou na Faculdade de Direito, em 1853. Ao término dos estudos, em 1857, partiu para Ouro Preto (Central), onde foi promotor público.

No ano seguinte, mudou-se para o Rio de Janeiro, a capital do Império, a fim de trabalhar nos escritórios de advocacia de Andrade Figueira e Teixeira de Freitas. Exerceu, ainda, a presidência das províncias do Ceará (1864-1865) e do Maranhão (1865-1866) e foi primeiro-ministro do Brasil (1883-1884).

Durante seu tempo de advocacia e política, dedicou-se também ao jornalismo, fundando o Atualidade, órgão da imprensa carioca que se destacou por sua feição política e literária e pelo adiantado liberalismo. Nos anos seguintes, foi redator dos jornais Le Brésil, A Opinião Liberal, Diário do Povo e A República.

Lafayette Rodrigues Pereira destacou-se ainda por outras obras publicadas, denominadas “Direito de Família” e “Direito das Coisas”, sendo eleito em 1908 para ocupar a cadeira 23 da Academia Brasileira de Letras (ocupada anteriormente por Machado de Assis).

Faleceu no Rio de Janeiro em 1917 e suas cinzas encontram-se atualmente em Conselheiro Lafaiete.

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *