Morre Maria da Consolação Cunha – a Fia

Faleceu na manhã desta quinta-feira, 26/09, a educadora Maria da Consolação Cunha, a Fia, como era mais conhecida.

A educadora passou mal, pouco antes de entrar na escola municipal Alfredo Laporte II, no bairro Santa Terezinha. Foi socorrida por moradores que residem próximo à escola. De imediato, funcionários do posto de saúde avisaram à direção do educandário. Fia encontrava-se consciente. Porém, ainda sem confirmação oficial, teve um infarto e faleceu.

Inclusão como meta de vida

Fia atuou de forma dinâmica na educação da cidade de Congonhas por anos. Uma profissional a frente do seu tempo, que dedicou grande parte do seu papel no Magistério, na difícil missão de desenvolver projetos educacionais inclusivos.

Fia, a última à direita – Uma mulher que fez da educação uma ferramenta transformadora
Sempre preocupada com os menos favorecidos, Fia conseguia desenvolver ações que acabavam aproximando os familiares do dia a dia de seus filhos nas escolas.

Foi idealizado por ela um dos prêmios mais cobiçados entregues aos educadores de Congonhas, o Prêmio Mérito Pedagógico Paulo Freire. O objetivo do Paulo Freire sintetizava bem a essência do que Fia defendia como sendo a postura ideal daqueles que se propõe a educar: Premiar professores comprometidos com o desenvolvimento dos alunos das escolas, que além disso, elaboram projetos didáticos inovadores. Além disso, valorizar, estimular e homenagear os educadores que se destacam com uma prática diferenciada.

Professora aposentada, nos últimos anos, Fia veio para Conselheiro Lafaiete onde atuou nas escolas municipais José Castellões de Menezes e Alfredo Laporte II, entre outras.

PT

Durante muitos anos, Maria da Consolação Cunha, defendia dentro do Partido dos Trabalhadores de Congonhas, a bandeira dos educadores. Fonte: Portal Lafaiete

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *