Legado musical: história da banda Os Escaravelhos foi retratada em documentário

Pelos bailes da vida, Os Escaravelhos fizeram sucesso em Congonhas, entre a décadas de 60 e 80. O legado do grupo – que teve o cantor Wando como um de seus integrantes – foi relembrado no documentário “Os Escaravelhos – trajetória do conjunto musical congonhense”, produzido por Átila Caiafa e André Candreva. A produção foi exibida na noite dessa quinta-feira, 22, no Museu de Congonhas, dentro da programação da Semana Municipal de Valorização do Patrimônio, promovida pelas secretarias de Cultura e de Educação. Confira as próximas atrações aqui.

Membros remanescentes das duas fases da banda presentearam o público com canções marcantes daquela época. Estiveram presentes os músicos Nilo Sérgio de Souza Costa, José Fernandes de Barros (Zé Rolinha), Francisco de Assis Gonçalves, Roberto Carlos Machado (Careca), Magno dos Santos, Nilton Juventinho de Paula (Niltinho), Clóvis Miguel Modesto Ribeiro e Evaldo Kather. Outros integrantes são: Valter Vasconcelos (Neném da Didô), Antônio Liberato Barbosa Filho (Tonho), Clemente Maria de Oliveira, Gumercindo de Souza Costa Neto (Bitota), Pedro Plínio Sabará e Pedro Marra.

Em meio a efervescência do blues e do rock surge em Congonhas, em 1966, a banda Os Escaravelhos, cujo nome é uma tradução quase que fiel de The Beatles (Os Besouros). O repertório tinha influência não só desses gêneros musicais, que estavam em destaque na época, mas também mesclava jazz, bossa nova, jovem guarda e até música orquestrada. A primeira apresentação do grupo foi em 21 de dezembro de 1966, em um antigo hotel localizado na Praça Doutor Mário Rodrigues Pereira.

A primeira fase do conjunto (1966 a 1972) era formada por Nilo Sérgio, Evaldo Kather, Zé da Ieta, Carioca e Neném Dadidô. Em 1967, Os Escaravelhos ganhou mais um integrante, Wando, que, anos depois, incentivado por Nilo Amaro, do grupo Nilo Amaro e Seus Cantores de Ébano, saiu da cidade para alavancar sua carreira, tornando-se, assim, um dos cantores mais expressivos da música brasileira.

Entre os bailes da vida, a chegada da disco music, idas e vindas, Os Escaravelhos ganharam, ao longo de sua trajetória, novas formações e novas histórias. A segunda fase d’ Os Escaravelhos foi até o início do ano de 1980, quando se extinguiu definitivamente, deixando um grande legado musical em Congonhas.

Para o trompetista Evaldo Kather, foi uma recordação maravilhosa. “Houve um pouquinho de choque quando ouvi falar dos colegas que já se foram, porque moro fora e não sabia de alguns que faleceram. Mas ao mesmo tempo incorporou em mim aquela saudade. Esse momento aqui é único”, disse, contando que iniciou sua carreira musical na banda.

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *