Garimpando – Notícias de Conselheiro Lafaiete – 1

GARIMPANDO NO ARQUIVO JAIR NORONHA

Avelina Maria Noronha de Almeida
avelinaconselheirolafaiete@gmail.com

Neste mês em que se comemora o ANIVERSÁRIO DE NOSSA CIDADE, vou iniciar uma série de artigos com informações sobre a querida CONSELHEIRO LAFAIETE.

Bandeira de Conselheiro Lafaiete/INTERNET

NOTÍCIAS DE CONSELHEIRO LAFAIETE-1
Avelina Maria Noronha de Almeida

Hino de Conselheiro Lafaiete
Letra de Monsenhor José Sebastião Moreira
Música de José Calixto Tolentino

Entre as minas do ouro refulge
Manganês do teu solo mineiro,
Das jazidas extensas, profundas
Vão tirando o metal pioneiro.

Estribilho
Carijós, tradição e grandeza,
Foste Vila Real de Queluz,
Hoje tens expressão, Lafaiete,
Ao futuro tua glória conduz.

Progressista, gloriosa cidade,
No passado te ergueste altaneira,
Relembrando o valente Galvão
Na heróica epopeia mineira.

Cantas hoje a bravura dos filhos,
Destemidos, valentes soldados,
Em Montese tua glória levaste
Com a fibra dos dias passados.

Uma estrela resvala no céu,
É Maria, Patrona Celeste!
Quanta glória te foi concedia,
Quanta fé nos destinos nos deste!

NOS CAMINHOS DA HISTÓRIA DE
CONSELHEIRO LAFAIETE
Avelina Maria Noronha de Almeida

Os caminhos da História são um desafio para quem os percorre. Às vezes ínvios, tortuosos, movediços, nebulosos, tenebrosos, pontilhados de erros, outras vezes também suaves, ensolarados, marcados com pedras firmes, corretos e dignificantes.

Mais de trezentos séculos nos antecedem nesta terra encrustada no coração de Minas Gerais. Tentar desvendar os tempos mais remotos é tarefa ao mesmo tempo fascinante, pelo maravilhoso prazer da descoberta, e amedrontadora, pelos riscos de se incorrer em erros, de perder-se em atalhos enganadores.

Temos que aceitar, muitas vezes, “verdades” pré-estabelecidas das quais duvidamos, defender idéias que podem não ser aceitas, alegrar-se, decepcionar-se, ser presa de desânimo ou de entusiasmo apaixonante.

Diz José dos Santos, que foi um ilustre historiador das Minas Gerais ,“o presente foge de nós como uma sombra ligeira. Só o passado nos pertence; nele é que verdadeiramente vivemos, No passado se encontram as raízes das nossas afeições; dele procedem as luzes do nosso espírito; dele correm as fontes de sabedoria que nos é dado alcançar na terra.” Essas palavras são um estímulo para que eu me aventure a correr os riscos de apresentar a minha versão de nossa história, baseando-me em muita coisa já escrita pelos historiadores, que os temos de grande valor, citando, entre outros, Alberto Rodrigues Libânio, Allex Assis Milagre, Antônio Campos, Antônio Luiz Perdigão Batista, , Fenelon Ribeiro, Francisco de Paula Ferreira de Resende, Gilberto Victorino de Souza, Jair Noronha, Joaquim (Quincas Rodrigues de Almeida, José Damasceno Pinto, Pe. José Duarte de Souza Albuquerque, Pe. José Vicente César, Mauricéia Aparecida Ferreira Maia, Nilce Alves Pereira, Romeu Guimarães de Albuquerque, Vicente Racciopi, Wolmar Olympio Nogueira Borges; em colaborações de pesquisadores como João Vicente Gomes, Joaquim Luiz Otávio da Silva, Marco Antônio Gomes, Osmir e Wagner do Lesma; em escritos de memorialistas como Benjamim Granha Filho, Carlos Reinaldo de Souza, Elza Verdolin Hudson, João Nogueira de Rezende, José Álvaro Duarte Castanheira, José Cosme do Nascimento, Leda Maria Augusta Vieira de Faria, Lucy de Assis Silva, Marina Biagioni Marques, Martha Faria Fernandes, Pedro Paulo de Salles Dias, Ondina Corrêa Fiúza da Rocha, Paulo Bellavinha, Pedro Paulo de Salles Dias, Reuber Lana Antoniazzi, Stella Costa César, Vitória Maria Rezende Nogueira, Wilson Baêta de Assis (estou deixando de citar muitos nomes de historiadores e memorialistas mais recentes, por receio de inconscientemente deixar de citar alguém) e tantos outros, que Conselheiro Lafaiete é rico de filhos que prezam sua tradição; em documentos e em diversos livros que discorrem sobre fatos históricos. Mas também apresento o resultado de minhas pesquisas na procura de desvelar mistérios, tentando realizar deduções lógicas, aventando hipóteses. É um perigo. Sei disso. Posso inconscientemente distorcer, errar, ser criticada. Mas… vamos ao perigo! Alea jacta est!

Fotos de alguns historiadores

Allex Assis Milagre
Francisco de Paula Ferreira de Rezende

 

Romeu Guimarães de Albuquerque
Padre José Duarte de Souza Albuquerque

 

Luiz Antônio Perdigão
Joaquim Rodrigues de Almeida

 

(continua…)

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *