Dor e o drama de uma mãe há um ano a procura do filho desaparecido em Lafaiete: “não desejo que nenhuma mãe passe por isto”, desabafou

Exatamente hoje (2), completa-se um ano do desaparecimento do jovem Juliano Calixto Gomes Morais, de 18 anos. Seu sumiço é marcado pelo mistério e até hoje não há qualquer pista de seu paradeiro. A última vez que ele foi visto, Juliano estava com sua mãe, quando ela o deixou perto da Alameda Juca Maia, quando o jovem tomou uma carona em uma moto. Pelas câmeras ele estava de boné alaranjado chinelo kenner amarelo bermuda jeans, Segundo a família, Juliano iria ao Bairro Real de Queluz. Ele morava com os pais no Bairro São Dimas e deixou uma filha de 1 ano e 5 meses.

Nossa reportagem procurou a Polícia Civil de Minas Gerais que informou que continua investigando o desaparecimento de Juliano Calixto Gomes Morais. O Delegado da Delegacia de Desaparecidos de Conselheiro Lafaiete, Marcus Vinícius Vieira Rodrigues reforçou que desde o registro da ocorrência diversas diligências foram realizadas, tanto oitivas de testemunhas, como atuação dos investigadores em campo.
“Apesar de diversas hipóteses formuladas, o caso ainda é tratado como desaparecimento, uma vez que a investigação não alcançou nenhuma informação concreta sobre o que aconteceu no presente caso”, explicou o delegado. Ele pediu a sociedade com informações que possam auxiliar nas investigações deste caso de desaparecimento, como outros em investigação em todo o Estado de Minas Gerais.

A dor da mãe

A mãe de Juliano, Maria Aparecida Gomes, fez um desabafo a nossa reportagem ainda alimentando pelo retorno do filho Segundo ela, toda semana ela vai a delegacia em busca de informações, Aparecida fechou sua loja no São Sebastião após do desaparecimento de Juliano. “Minha vida mudou por completo e hoje tomo remédio para dormir e me controlar. Há 1 ano que não tenho noticias do meu filho e pessoas que podem ter visto algo não me dizem. Peço ajuda pois hoje eu estou passando por esta situação e desejo do fundo do meu coração que mãe nenhuma passe o que eu estou passando. Mesmo assim agradeço pelo silêncio onde quer que ele esteja estarei sempre de joelhos dobrados pedindo a Deus que me ajude a encontrá-lo  vivo ou morto. Tenho fé que o encontrarei pois para Deus nada é impossível”, desabafou.

Leia Mais:

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *