Congonhas conquista título inédito da Liga Mineira de Vôlei Feminino

A equipe da Prefeitura de Congonhas se tornou campeã da Liga Mineira de Vôlei Infanto Feminino de Vôlei 2018. Na decisão realizada neste domingo, 2, no Ginásio Poliesportivo do Riacho, em Contagem, Congonhas fez 3 sets a 2 no Praça de Esporte Pará, de Pará de Minas, e de virada. Parciais de 22/25, 19/25, 25/21, 25/16 e 15/6. Ano passado, as congonhenses já haviam sido vice-campeãs da categoria e decisão ocorrida no Poliesportivo Central. Participaram ainda desta edição SESI Santa Luzia, Clube Rodoviário, Projeto Vôlei Pampulha e Squadra Escola de Vôlei.

O jogo

Congonhas conquista título inédito da Liga Mineira de Vôlei Feminino/Divulgação

Congonhas encontrou muita dificuldade nos primeiros dois sets, em que acabou sendo derrotada. Então o técnico Marcinho realizou mudanças no terceiro set que foram decisivas no decorrer da partida. “Colocamos a atleta Karla Augusto, que até então estava jogando de central, para atuar, a partir do terceiro set, na posição de ponteira. Com isso a equipe ganhou muito na recepção e no ataque. Daí voltou a confiança e passamos a jogar com o placar favorável. A atleta Pâmela Pessoa, que foi destaque na campanha, até então fazia uma partida aquém das nossas expectativas. A partir do terceiro set também ganhou confiança e, juntamente com a Karla, foi decisiva na vitória nos sets seguintes”, avalia o treinador.

Marcinho afirma que esta foi “uma grande conquista para o nosso Município e para essa geração que se dedicou tanto e que, no ano passado, foi vice campeã e agora com muita luta conseguiu alcançar o objetivo. A meninas mostraram ainda a força do grupo. Cada uma contribuiu muito com essa vitória”, testemunha.

O treinador aponta como próximos objetivos a disputa da própria Liga Mineira, já que muitas atletas ainda terão idade para jogar a edição de 2019 na categoria infanto, e representar o Município nos Jogos do Interior de Minas 2019 e em demais torneios na região.

Equipe da Prefeitura de Congonhas:

Karla Augusto, Renata Augusto, Jéssica Souza, Isabela Gonçalves, Gabriela Linck, Gabriela Alves, Pâmela Pessoa, Thamires Martins, Talia Marques, Ana Oliveira, Jeanne Santos, Thaynara Campos, Jéssica Borromeu e dMaria Oliveira. Técnico Márcio Reis

Entrevistas das atletas

Taynara (líbero):

Além das importantes mudanças táticas que o treinador promoveu, o que mais foi decisivo pra virada?

Taynara: O mais importante para conseguirmos a virada foi a mudança de postura. Nos dois primeiros sets, não jogamos como quem queria ganhar, mas a partir do terceiro demostramos mais raça, com vontade de ser campeãs.

O vice-campeonato de 2017 instigou vocês pra essa conquista?

Taynara: Claro, porque chegar a uma final já é muito gratificante, pra isso é preciso passar por todas as outras equipes, mas ficar em 2º lugar não é o que a gente espera numa final. Ficamos instigadas a conquistar o campeonato sim, não se contentaria com o vice, queríamos ser campeãs.

Para conquistar título é preciso jogar bem e haver uma boa sintonia entre o grupo. Como é essa relação de vocês?

Taynara: Nosso time, além de ajudar uma a outra na quadra, é muito amigo fora da quadra. Nós nos descontraímos durante a viagem, nós nos tornamos amigas e isso é muito importante porque isso nos une também em quadra.

Você tem mais algo a dizer?

Taynara: Quero agradecer ao técnico Marinho por ter paciência com a gente, explicar cada fundamento e nunca ter desacreditado do nosso potencial. Na final, por mais que parecesse que já havia acabado o jogo, ele manteve a fé em nós e conseguimos trazes este campeonato. Destaco também que é muito importante as condições que a Prefeitura de Congonhas dá a, nós, investindo em treinador, local de treinamento, escolinhas, nas equipes, adquirindo uniforme, bancando transporte, inscrições. O apoio ao esporte todos sabem que é importantíssimo para a formação de cada cidadão.

Gabi Cristiano (ponteira e oposto)

Qual era a expectativa de vocês por um título desses, após o vice-campeonato do Infanto ano passado?

Gabi Cristiano: Era de mostrar que Congonhas sempre monta equipes fortes, que ano passado não havia sido possível vencer, mesmo fazendo a final em casa, mas este ano viemos pra ganhar.

Após o 0 a 2 incial, você chegou a pensar que não seria possível reverter o placar?

Gabi Cristiano: Eu sabia que era possível virar, porque conheço a capacitada do nosso time, que conta com excelentes jogadoras e um dos melhores treinadores de Minas, então a derrota não passou pela minha mente.

As mexidas táticas alteraram positivamente também o ânimo de vocês a partir do 3º set?

Gabi Cristiano: Elas foram essências para a virada do nosso jogo e nos tornarmos campeões. Aí voltamos com uma garra de time campeão, de time que está na final pra ganhar o campeonato.

O que representa esse título para vocês jogadoras e para o Vôlei de Congonhas?

Representa superação, nenhuma outra palavra define a conquista deste campeonato. Todas nós passamos por momentos que precisamos superar, sejam elas pessoais, familiares, em quadra, psicológicas e crescemos este ano neste item. O título representa superação, força e família, que é o que a gente se tornou.

O que vocês gritaram ao final do jogo?

Gabi Cristiano: Ao final, gritamos que “o time ruim ganhou”, em resposta à torcida adversária que, para nos provocar, nos chamou de time ruim. Demos a resposta em quadra, ganhando e comemorando.

A campanha antes da final

Na fase classificatória, disputada em jogos de três sets, a equipe da Prefeitura de Congonhas, que ainda estava em formação e contanto com várias garotas do Infantil, iniciou perdendo para Praça de Esporte Pará por 3 sets a 0. Na sequência, reabilitou-se batendo o Squadra Escola de Vôlei, o Projeto Vôlei Pampulha e o SESI Santa Luzia todos por 3 sets a 0, sendo que após essa última partida, o time ficou completo. Fechando a fase, as congonhenses derrotaram o Clube Atlético Rodoviário por 2 a 1.

Nas Semifinais, em que para vencer o jogo é preciso vencer 3 sets, os placares da primeira rodada foram: Praça de Esporte Pará 3 x 0 SESI Santa Luzia e Prefeitura de Congonhas 03 x 01 Clube Atlético Rodoviário. Parciais: (17 x 25, 25 x 14, 25 x 13 e 25 x 10). Os jogos acontecem no Clube Atlético Rodoviário em Betim e no Riacho em Contagem.

Já a equipe Infantil da Prefeitura de Congonhas feminina segue disputando a Liga Mineira.

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *