Amigos lembram o legado, o amor, a generosidade e os ideais libertários de José Odilon; sepultamento ocorre amanhã à tarde

“Quem passou pela vida em branca nuvem. E em plácido repouso adormeceu, Quem não sentiu o frio da desgraça. Quem passou pela vida e não sofreu. Foi espectro de homem, e não homem. Só passou pela vida, não viveu”.

 

Estes versos carregados de intensidade social e emoção expressam a passagem neste cosmos do ativista político, cultural, ambientalista, humanista e psicólogo José Odilon Rodrigues em sua trajetória humana de 69 anos em que percorreu os abismos, as contradições, desigualdades, as finitudes  e alegrias humanas.

Insatisfeito, corajoso, persistente, engajado, combatente, Zé Odilon, descendente direto do Conselheiro Lafaiete, que empresta o nome a cidade, deixa um legado de superação de que é possível pensar um mundo melhor no qual generosidade e a doação são atributos transformadores da humanidade.  “Ele deixou um legado de amor e até a sua morte ele nos uniu em torno dele”, assinalou Rogério Goulart, amigo pessoal. Mais que a dor, Rogerinho lembra o recado deixado por seu amigo. “O mundo perdeu a humanidade e generosidade que encontramos em José Odilon. Sujeito acima da média, poeta e voltado às causas sociais. Ele deixa um legado de amor ao próximo”, afirmou. Nestes 60 dias, Rogerinho trabalhou incansavelmente nas buscas.

O ex vereador e amigo pessoal, Ricardo Aleixo, o “bijinho” conta passagens de Odilon nas décadas de 60 e 70 quando participaram da fundação do lendário grupo lafaietense “Queluz de Minas”. “Hippie, Odilon era idealista e lutava pelas causas coletivas e deixa uma mensagem de amor ao próximo. Militante de esquerda, desenvolveu projetos sociais nas cidades de Três Marias com os pescadores, e trabalhou na gestão do ex prefeito de Belo Horizonte na gestão do prefeito Célio e Castro. Era uma pessoa que não se acomodava”, assinalou.

O poeta Osmir Camilo, rememora a lucidez, a inquietude e o espírito coletivo de José Odilon em seu protagonismo cultural e ambiental, sem deixar de ressaltar os valores pessoais de alto quilate. “Era uma pessoa honrada, honesta e fora do comum. Tinha um coração  aberto. Uma pessoa doada. Era um paizão de uma sensibilidade acima da média”, ressaltou.

Osmir e Odilon são fundadores do Partido Verde em 1996 e criaram a ONG( Liga Ecológica Santa Matilde (Lesma). “Ele era amigo pessoal do Manuelzão, célebre personagem de Guimarães Rosa no livro Sagarana”, contou. “Mais que retórica, era uma pessoa engajada em todas as dimensões sejam como profissional, ser humano e pai de família”.

Mais que amigo

O caricaturista lafaietense, Jorge Inácio, hoje radicado em Jacareípe (ES) contou os anos que conviveram na infância em Lafaiete e adolescência na Capital Mineira na década de 70, anos de chumbo do regime militar. “A gente era mais que amigo. Vivíamos e viajamos muito de carona. Era um irmão. Um ser humano de alta grandeza”, assinalou, lembrando os ideais libertários do colega.

Velório e sepultamento

O corpo de José Odilon Rodrigues será velado entre 15 às 16 horas, no Cemitério Jardim, amanhã, dia 9, no cemitério Éden em Lafaiete.

Facebooktwittergoogle_plusFacebooktwittergoogle_plus

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *